Vamos Começas Pelos Alimentos Transgênicos:

Em abril de 2003, foi publicado o decreto que regulamenta o direito à informação dos consumidores quanto aos alimentos e ingredientes transgênicos. De acordo  com esse decreto, todos os produtos que  contenham mais de 1% de matéria-prima transgênica, devem ser comercializados, embalados e vendidos com um rótulo específico, que contenha o símbolo oransgênico em destaque, junto com as seguintes frases:

 

“(produto) transgênico”, ou “contém (matéria prima) transgênico”.

Ao comprar um produto, verifique as informações no rótulo.

 

Não compre produtos / alimentos transgênicos, mostre às empresas de alimentos que você não é uma “RATO” de laboratório para experimento.

Não morra pela boca!

VIVA BEM!

O que são transgênicos ou organismos:

Um ser vivo se torna transgênico ou geneticamente modificado quando, por meio da engenharia genética, recebe genes de outra espécie.

 

Assim, o ser vivo cujo código genético foi modificado, passará a ter novas características específicas que não possuía antes. Este processo é feito em laboratórios e essatécnica pode ser aplicada em qualquer ser vivo.

 

Há um salmão, por exemplo, que recebeu genes de porco para engordar mais rápido.

 

A soja Roundup Ready recebeu genes de bactérias para se tornar resistente a agrotóxicos.

 

O alimento transgênico é aquele que contém qualquer ingrediente derivado de uma planta ou animal transgênico.

Baixe Grátis o GUIA DO CONSUMIDOR DO GREENPEACE Sobre os alimentos Transgênicos:

GUIA DO CONSUMIDOR EM PDF
GUIA DO GREENPEACE
guia_consumidor.pdf
Adobe Acrobat Document 362.3 KB

Os 10 piores alimentos para o ser humano!

10º lugar: Sorvete.

Apesar de existirem versões mais saudáveis que os tradicionais sorvetes industrializados, esse alimento geralmente possui altos níveis de açúcar e gorduras trans, além de corantes e de saborizantes artificiais, muitos dos quais possuem neurotoxinas – substâncias químicas que podem causar danos no cérebro e no sistema nervoso. 

9º lugar: Salgadinho de milho.

Desde o surgimento dos alimentos transgênicos, a maior parte do milho que comemos é um “Frankenfood”, ou “comida Frankenstein”. Ela aponta que esse alimento pode causar flutuação dos níveis de açúcar no sangue, levando a mudanças no humor ganho de peso e irritabilidade, entre outros sintomas. Além disso, a maior parte desses salgadinhos é frita em óleo, que vira ranço e está ligado a processos inflamatórios.

8º lugar: Pizza.

Nem todas as pizzas são ruins para a saúde, mas a maioria das que são vendidas congeladas em supermercados está cheia de condicionadores de massa artificiais e conservantes. Feitas com farinha branca, essas pizzas são absorvidas pelo organismo e transformadas em açúcar puro, causando aumento de peso e desequilíbrio dos níveis de glicose no sangue.

7º lugar: Batatas fritas.

Contêm não apenas gorduras trans, que já foram relacionadas a uma longa lista de doenças, mas também uma das mais potentes substâncias cancerígenas presentes em alimentos: a acrilamida, que é formada quando batatas brancas são aquecidas em altas temperaturas. Além disso, a maioria dos óleos utilizados para fritar as batatas se torna rançosa na presença do oxigênio ou em altas temperaturas, gerando alimentos que podem causar inflamações no corpo e agravar problemas cardíacos, câncer e artrite.

6º lugar: Salgadinhos de batata.

Além de causarem todos os danos das batatas fritas comuns e não trazerem nenhum benefício nutricional, esses salgadinhos contêm níveis mais altos de acrilamida, que também é cancerígena.

5º lugar: Bacon.

O consumo diário de carnes processadas, como bacon, pode aumentar o risco de doenças cardíacas em 42% e de diabetes em 19%. Um estudo nos Estados Unidos, descobriu ainda que comer 14 porções de bacon por mês pode danificar a função pulmonar e aumentar o risco de doenças ligadas ao órgão.

4º lugar: Cachorro-quente.

O consumo de cachorros-quentes e outras carnes processadas pode aumentar o risco de câncer de pâncreas em 67%. Um ingrediente encontrado tanto no cachorro-quente quanto no bacon é o nitrito de sódio, uma substância cancerígena relacionada a doenças como leucemia em crianças e tumores cerebrais em bebês. Outros estudos apontam que a substância pode desencadear câncer colorretal.

3º lugar: Donuts (rosquinhas fritas).

Entre 35% e 40% da composição dos donuts é de gorduras trans – o pior tipo de gordura que você pode ingerir. Essas substâncias estão relacionadas a doenças cardíacas e cerebrais, além de câncer. Para completar, esses alimentos são repletos de açúcar, condicionadores de massa artificiais e aditivos alimentares, e contêm, em média, 300 calorias cada.

2º lugar: Refrigerante.

De acordo com uma pesquisa do Dr. Joseph Mercola (www.mercola.com), uma lata de refrigerante possui em média 10 colheres de chá de açúcar, 150 calorias, entre 30 e 55 mg de cafeína, além de estar repleta de corantes artificiais e sulfitos. Além disso, essa bebida é extremamente ácida, sendo necessários 30 copos de água para neutralizar essa acidez, que pode ser muito perigosa para os rins. Para completar, os ossos funcionam como uma reserva de minerais, como o cálcio, que são despejados no sangue para ajudar a neutralizar a acidez causada pelo refrigerante, enfraquecendo os ossos e podendo levar a doenças como osteoporose, obesidade, cáries e doenças cardíacas.

1º lugar: Refrigerante Diet.

É o pior alimento de todos os tempos. Além de possuir todos os problemas dos refrigerantes tradicionais, as versões diet contêm aspartame, que agora é chamado de AminoSweet.

 

De acordo com uma pesquisa de Lynne Melcombe, essa substância está relacionada a uma lista de doenças, como ataques de ansiedade, compulsão alimentar e por açúcar, defeitos de nascimento, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperatividade, insônia, dor nas articulações, dificuldade de aprendizagem, TPM, cãibras musculares, problemas reprodutivos e até mesmo a morte. Os efeitos do aspartame podem ser confundidos com a doença de Alzheimer, síndrome de fadiga crônica, epilepsia, vírus de Epstein-Barr, doença de Huntington,  hipotireoidismo, doença de Lou Gehrig, síndrome de Lyme, doença de Ménière, esclerose múltipla, e pós-pólio. 

Não Use MICROONDAS!

Ao ingerir este alimento processado pelas microondas, nosso organismo não mais o reconhece, e passa a tratá-lo como INVASOR!
Daí, desespera-se a produzir glóbulos brancos para atacar o “invasor”, deixando de produzir glóbulos vermelhos, que são quem levam energia para todos os recantos do nosso corpo.
Privado destes saudáveis glóbulos vermelhos, o organismo enfraquece, ficando sujeito a todo tipo de ataque virulento.
Eis que aparece a LEUCEMIA!
Daí para a morte…

O microondas entram também nos celulares (daqui há bem pouco tempo haverá muita gente morrendo de câncer no cérebro), nos fornos, e em mais lugares que nem sequer suspeitamos (cartões com chip, por exemplo!)

A Pipoca de Microondas:

Um produto químico aromatizante utilizado na preparação pipoca, o diacetyl, pode causar câncer de pulmão e nas vias aéreas.

 

Pessoas que inalaram vapor de diacetyl, um aromatizante sabor de manteiga, por três meses desenvolveram uma inflamação linfocítica dos bronquíolos, afirmou a equipe do Instituto Nacional de Saúde americano.

 

A inflamação pode se tornar uma bronquiolite destrutiva, chamada "pulmão de pipoca", uma doença rara e debilitante vista em trabalhadores que trabalham no empacotamento de pipocas de microondas e em pelo menos um consumidor.

 

"Este é um dos primeiros estudos que avaliam a toxicidade do diacetyl em níveis significativos para a saúde humana"

 

afirmou Daniel Morgan, pesquisador que integrou o estudo.

 

De acordo com a pesquisa publicada na revista Toxicological Sciences, os pesquisadores disseram que a exposição dos trabalhadores ao diacetyl no ambiente de trabalho contribui para o desenvolvimento da bronquiolite destrutiva.

 

A doença, de tratamento difícil, causa sintomas como tosse e falta de ar, e piora de forma constante, de acordo com centros de controle e prevenção de doenças americanos.

 

Apoiamos: